Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Urso Tobias

Tobias, or not Tobias, that is the question. Divagações de um urso.

Urso Tobias

Tobias, or not Tobias, that is the question. Divagações de um urso.

Teoria da conspiração

Trabalhadores imigrantes -> Odemira -> explorações agrícolas -> colher frutos vermelhos -> framboesas -> empresário que agrediu repórter da TVI deu uma caixa de framboesas a segurança do FC Porto -> FC Porto -> Pinto da Costa

O Pinto da Costa é responsável pela exploração dos trabalhadores imigrantes em Odemira e tudo o que está a acontecer por lá. E é assim que se começa uma teoria da conspiração.

Fama sem proveito

Ainda gostava de ver um caso de assédio em que uma mulher viesse a público falar que tenha funcionado. É que os casos que aparecem são sempre de um homem que faz valer da sua posição para tentar ter determinados favores sexuais, mas a mulher acaba sempre por resistir ou ter de sair daquele meio para acabar com o assédio de que é alvo. O assédio acaba nunca por funcionar para o assediador.

Não estou com isto a querer diminuir a situação, muito pelo contrário. Quando casos destes acontecem devem ser denunciados sempre que possível, mas, mais importante do que isso, é preciso mudar as mentalidades para que deixem de acontecer. Para além disso, se já é difícil por vezes as vítimas contarem os casos em que não se deixaram levar, quanto mais quando o agressor consegue os seus intentos.

Dito isto, por uma vez não pode aparecer uma mulher a apresentar um testemunho em que o assédio funcionou e com isso ficou com a carreira feita? Algo como: "E ele depois baixou as calças e disse que aquilo não se chupava sozinho. Podia estar aqui a mentir, mas a verdade é que não se chupou mesmo sozinho. Foi péssimo, mas ao mesmo tempo tornou-se a melhor decisão que já fiz pela minha carreira. Nunca mais me faltou trabalho nos anos seguintes".

É que os relatos que aparecem só dão péssima imagem aos homens. Duplamente. São assediadores, mas também nunca acabam por conseguir nada. É ficar com a fama e sem proveito.

Não perder a cabeça

crime

Lá saiu a sentença daquele caso do rapaz que foi morto, desmembrado e as partes do seu corpo espalhadas um pouco por todo o Algarve. Maria Malveiro foi condenada a 25 anos de prisão pelo homicídio de Diogo Gonçalves. Já Mariana Fonseca foi condenada a quatro anos, mas ficará em liberdade até que a decisão transite em julgado.

Eu não sei bem qual é qual, mas quase aposto que a que se safou foi a mais gira das duas. É sempre assim. Isso ou por ser enfermeira. Agora com a vacinação contra a Covid-19 a acelerar toda a ajuda de enfermeiros é fundamental.

Já a que ficou presa, não sei se repararam, tem a mesma advogada que a Rosa Grilo. Eu bem digo que pelos advogados de defesa dá logo para saber a sentença. Basta ver quem é e dizer logo "Culpado!". Raramente falha.

Entretanto, parece que a série "Dexter" vai voltar. Com sorte, como elas aparentemente eram muito fãs da série, pode ser que ainda façam lá uma participação especial ou assim. Nunca se sabe.

Este crime foi horrível, mas ao mesmo tempo é um alerta para todos os informáticos que por aí andam.

Se és um jovem informático e tens duas gajas atrás de ti, de certeza que não é pelos teus dotes em .NET, python ou outra linguagem qualquer. Ter uma já é pouco provável, duas é totalmente impossível. Tem juízo e não percas a cabeça. Literalmente.

Canções trocadas

25 de Abril

25 de Abril sempre! Mas se fosse não fosse ao fim de semana tinha mais piada, porque feriado.

É incrível que só hoje, após uns quantos anos de vida (não vou dizer quantos por motivos de... confidencialidade), é que reparei que não se pode escrever Liberdade sem as letras de Abril. O que significa? Não sei. Será coincidência? Também não sei. Se calhar o MFA pensou inicialmente fazer a revolução em Março, mas chegou lá alguém e disse "Vamos deixar para o mês seguinte, porque Abril e Liberdade fica mais poético." Para quem também nunca tinha reparado nisso fica aqui este meu contributo.

No entanto, não é essa a razão deste meu texto, mas vou fazer aqui uma transição suave. Portanto, letras -> músicas -> canções do 25 de Abril. Muito suave.

Eu não entendo como não trocaram a ordem das canções que serviram como senha para a revolução do 25 de Abril.

Para mim, a "Grândola, Vila Morena" é uma música que, mal começa a tocar, dá logo vontade de sair do quartel, ir fazer uma revolução e tomar de assalto uma rádio para acabar com aquilo. Isso ou cortar os pulsos.

Já a "E Depois Do Adeus" é uma canção que tem muito mais o sentimento de celebração de vitória após mandar uma ditadura abaixo. Não sei, parece totalmente invertido.

Dito isto, ainda bem que tivemos o 25 de Abril para, entre muitas outras coisas bem mais importantes, um Urso poder ter um blog onde pode dizer à vontade o que pensa sobre uma das músicas chave dessa mesma revolução.

Empata-fodas

ermesinde

Esta madrugada, a PSP interrompeu uma festa ilegal de sexo com troca de casais que decorria num estabelecimento em Ermesinde e multou 89 participantes. Isto é o que habitualmente se chama de empata-fodas, só que neste caso é mesmo no sentido literal da expressão.

Há muita gente que costuma ficar estupefacta por acontecerem coisas destas, em particular com a COVID-19 ainda tão presente. A meu ver há pouco de surpreendente nesta história. Ora vejamos...

Em primeiro lugar, acredito que a COVID-19 será uma das menores preocupações, em termos de doenças, que os participantes deste tipo de festas devem ter.

Depois o facto de haver festas de sexo em Ermesinde também não é de estranhar tendo em conta que é a terra das gajas boas, mesmo, mesmo boas. As melhores. Gajas. Ermesinde é o sítio certo para acontecerem eventos destes.

Até aqui tudo me pareceu relativamente dentro da normalidade. O que me chamou realmente a atenção foi serem 89 participantes num festa de troca de casais. Aposto que houve um que quando foi questionado pela polícia disse «Senhor agente, eu não participei. Estava só a ver o que se passava».

Dat ass...édio

Sofia Arruda

Durante o fim de semana passado, um dos assuntos mais comentados foi a entrevista de Sofia Arruda a Daniel Oliveira no Alta Definição, da SIC.

Um dos grandes motivos foi por revelar que foi alvo de assédio sexual de um responsável televisivo e, consequentemente, afastada do canal por sete anos ao rejeitar tal aproximação.

Gerou-se quase imediatamente, nas redes sociais, uma espécie de jogo de Cluedo. Todos a tentar descobrir quem foi o assediador da Sofia Arruda através das poucas pistas que foram disponibilizadas.

No meio deste entretenimento há sempre dois tipos de grupo que se geram quase automaticamente. Há os pedidores de nomes e os desvalorizadores das queixas femininas.

Os pedidores de nomes, como dá para perceber, são aqueles que mal aparece um caso começam logo a pedir o nome de quem foi. «Quem foi? Digam o nome! Temos de lhe fazer a folha! Diz o nome Sofia!». Quais justiceiros das redes sociais logo prontos para fazer "justiça". Pessoas que não entendem que lançar um nome para o ar que depois não se tem meios para provar seria meio caminho andado para ser ela própria a lixar-se por calúnia ou difamação.

Depois temos os desvalorizadores das queixas femininas, pessoas que dizem logo que "É para aparecer", "Se é verdade, porque é que não fez queixa?". A Sofia Arruda explicou muito bem na entrevista. Os avanços foram sempre velados e sempre disfarçados de propostas de encontros de trabalho. Como é que se faz queixa de algo que não se tem provas? Quando fica a palavra de um contra a palavra o outro?

Este é o grande problema dos casos de assédio. Se por um lado não se deve simplesmente queimar uma pessoa em praça pública por algo que alguém diz, por outro pode ser extremamemente complicado de provar se não existir algo em concreto que o permita. O que fazer então? Não faço ideia... É um assunto demasiado complexo e só imagino que possa ser resolvido com educação para que tais situações existam cada vez menos.

Bem, este caso estava lançado para abrir a discussão do assédio sexual em Portugal, mas de repente meteram-se assuntos mais importantes pelo meio. É que assédio a mulheres uma pessoa ainda pode deixar passar, mas agora este tipo de assédio que os clubes ricos estão a fazer ao futebol? Inadmissível. Então e a abertura das lojas? Toda a indignação com o assédio sexual ficou ali retida numa fila da Primark e precisou de uns dias para retomar.

A verdade é que voltou e em força, com uma insinuação do João Quadros de que o próprio Daniel Oliveira teria também praticado assédio sexual aqui há uns anos. Excelente plot twist. O entrevistador ao qual foi revelado um caso de assédio sexual ser também alguém que assediava mulheres. Já estou a imaginar o Daniel Oliveira a dizer a alguma apresentadora "O que dizem os teus entrefolhos? Não sabes? Então deixa-me descobrir". Sendo verdade ou não, o que mais adoro nesta história é ver quem não tem capacidade para puxar minimamente pela cabeça depois achar que este é o mesmo caso da Sofia Arruda. É lindo ver gente totalmente à toa.

Entretanto, o Rui Unas a ver toda esta polémica em torno das questões de assédio sexual, pensou bem e escolheu Tomás Taveira para convidado do seu podcast Maluco Beleza. Mais, decidiu tirar uma fotografia com o homem e colocar com parte da descrição «Ícone. Tomás Taveira. 82 anos. Um homem não pode ser definido apenas pelas asneiras que fez na vida». A quais asneiras estará o Rui Unas a referir-se? Torres das Amoreiras? Estádios para o Euro 2004? Não sei.

Toda esta espécie de #MeTooga, um #MeToo à portuguesa, começou devagar, mas está a ter uns desenvolvimentos bem interessantes. Estou ansioso pelos próximos capítulos. A não perder.

Postos de vacinação

O coordenador da task force, vice-almirante Gouveia e Melo, responsável pelo plano de vacinação contra a Covid-19, anunciou que estão a ser criados novos postos de vacinação que irão permitir vacinar 100 mil pessoas por dia.

Segundo informações exclusivas que aqui o Urso Tobias conseguiu apurar, estes centros de vacinação serão colocados à entrada das Primark deste país garantindo assim a rápida imunização de quase toda a população.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub