Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Urso Tobias

Tobias, or not Tobias, that is the question. Divagações de um urso.

Urso Tobias

Tobias, or not Tobias, that is the question. Divagações de um urso.

Não perder a cabeça

crime

Lá saiu a sentença daquele caso do rapaz que foi morto, desmembrado e as partes do seu corpo espalhadas um pouco por todo o Algarve. Maria Malveiro foi condenada a 25 anos de prisão pelo homicídio de Diogo Gonçalves. Já Mariana Fonseca foi condenada a quatro anos, mas ficará em liberdade até que a decisão transite em julgado.

Eu não sei bem qual é qual, mas quase aposto que a que se safou foi a mais gira das duas. É sempre assim. Isso ou por ser enfermeira. Agora com a vacinação contra a Covid-19 a acelerar toda a ajuda de enfermeiros é fundamental.

Já a que ficou presa, não sei se repararam, tem a mesma advogada que a Rosa Grilo. Eu bem digo que pelos advogados de defesa dá logo para saber a sentença. Basta ver quem é e dizer logo "Culpado!". Raramente falha.

Entretanto, parece que a série "Dexter" vai voltar. Com sorte, como elas aparentemente eram muito fãs da série, pode ser que ainda façam lá uma participação especial ou assim. Nunca se sabe.

Este crime foi horrível, mas ao mesmo tempo é um alerta para todos os informáticos que por aí andam.

Se és um jovem informático e tens duas gajas atrás de ti, de certeza que não é pelos teus dotes em .NET, python ou outra linguagem qualquer. Ter uma já é pouco provável, duas é totalmente impossível. Tem juízo e não percas a cabeça. Literalmente.

Acreditar com força

Ontem o amante da Rosa Grilo, António Joaquim, passou de absolvido a condenado a 25 anos de prisão, ou seja, de inocente à pena mais agravada de um crime. O homem a pensar que se tinha safado e afinal saiu-lhe a carta "Vá directamente para a prisão, sem passar pela casa de partida". Tudo isto porque os juízes do Tribunal da Relação de Lisboa, sem haver prova directa, simplesmente acharam que ele esteve envolvido. SEM PROVAS DIRECTAS. E nem sou eu que digo, foram os próprios juízes no acórdão.

É incrível como uma das decisões mais graves na Justiça portuguesa dos últimos tempos passa assim na boa, sem se ver qualquer tipo de indignação. Como se fosse normal condenar-se alguém, porque se tem a convicção que determinada pessoa fez algo. Eu posso achar que ele esteve envolvido e que deveria apodrecer na prisão, mas é apenas a minha opinião, não sou juiz. Não vou enviar alguém para a cadeia só porque é o que eu acho. E olhem que eu acredito ter bastante bom senso na análise das pessoas.

Imaginem agora qualquer um de nós estar envolvido num caso sem ter feito nada e que, sem provas, um juiz nos condena, porque não gostou da nossa cara ou porque acreditou que nós tínhamos de ter estado envolvidos. «Bem... Diz aqui que o senhor estava noutro sítio quando o crime ocorreu, mas o senhor não tem provas disso. Nós também não temos provas que estava no local do crime também... mas o senhor tem mesmo cara de mata-velhas, portanto eu acredito com muita força que deve ter cometido o crime. Culpado!». É surreal.

Aquela história de que as pessoas são inocentes até se provar o contrário já é uma grande treta quando um caso aparece na comunicação social. Toda a gente vai fazer os seus juízos morais acerca do caso. Agora, serem os próprios juízes a mandar tudo isso às urtigas, nunca pensei.

É que se é para tomar decisões com base no que se acha, nem era preciso estarmos a formar juízes. Apanhávamos 3 pessoas aleatórias que vão a passar na rua e perguntávamos-lhes a opinião acerca dos casos. Isso ou veríamos o que dizem nos painéis da CMTV e também se resolveria logo. De certeza que a Justiça andaria muito mais depressa, só não sei se seria Justiça.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

 

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub